Saúde

Perguntas que os psiquiatras fazem para diagnosticar a desordem bipolar

Enquanto as doenças mentais como a depressão e a ansiedade são bem conhecidas e compreendidas bastante bem, outras doenças como a esquizofrenia e a desordem obsessiva compulsiva não recebem o mesmo tipo de atenção e são altamente mal compreendidas. Uma dessas doenças é a bipolaridade, que pode ser bastante debilitante e vem com uma fúria de sintomas que afectam todos os aspectos da vida.

A bipolaridade consiste em episódios depressivos que podem ser graves e maníacos, onde uma pessoa pode agir de forma errática, arriscada e até eufórica. Estes episódios maníacos ou hipomaníacos podem durar desde algumas semanas a alguns meses, e são novamente seguidos de episódios depressivos.

Acontece que um grande número de pessoas que sofrem de desordem bipolar são mal diagnosticadas porque procuram tratamento quando têm um episódio depressivo, e são diagnosticadas como tendo depressão em vez de desordem bipolar. No entanto, com o profissional certo, pode ser diagnosticada correctamente com a ajuda destas perguntas.

Humor Elevado de Forma Contínua Durante Dias

Há uma diferença entre uma pessoa sentir-se melhor do que o habitual após um episódio depressivo, e algo muito mais do que isso. Aqueles com desordem bipolar por vezes até sentem um estado de euforia, o que é uma ocorrência comum durante um episódio maníaco. Perguntas como “Sentiu-se demasiado bem nos últimos dias?” ou “Sentiu que o seu humor foi elevado nos últimos dias sem qualquer razão?” podem ser feitas.

Os pacientes também podem passar rapidamente de confiantes e enérgicos a agitados e reactivos. Os médicos precisam de descobrir se um bom dia após um episódio depressivo se deveu a circunstâncias situacionais, tais como encontrar um novo emprego, ou devido a um episódio maníaco, e esta pergunta pode levá-los até lá.

Menos Sono Mas Também Menos Fadiga

“Embora tenha dormido menos, reparou que não se sentiu realmente exausto?” As mudanças nos padrões de sono são um factor importante que contribui para a mania, e uma pessoa pode dormir apenas algumas horas, mas sente-se enérgica e refrescada. Estas mudanças podem ser o primeiro sinal de que um episódio maníaco pode estar a começar. Assim, torna-se importante compreender como uma pessoa está a dormir porque as mudanças acabam por contribuir para uma mudança de humor significativa após um episódio depressivo.

Um monte de ideias, ou Sped Up Brain

Perguntas como “Durante o seu período de bom humor, sentiu que tinha muitas ideias e o seu cérebro sentiu-se acelerado” podem ajudar. Os pacientes com desordem bipolar têm dificuldade em acompanhar o número de pensamentos que passam pela sua mente, e podem estar completamente inconscientes de quanto acontece dentro das suas cabeças no meio de um episódio maníaco.

Num episódio hipomaníaco, os pensamentos podem parecer nítidos e claros em vez de rápidos, mas mesmo assim apontam para a existência da desordem bipolar. Seja como for, o médico deve ser capaz de compreender que há uma mudança na forma como os pacientes processam ou pensam nas suas ideias, e como isso afecta o seu cérebro.

Mais conversa

As pessoas com doença bipolar falam muito rapidamente, e tendem a saltar de uma ideia para outra muito frequentemente. Perguntas como “É difícil seguir o que querem dizer?”, ou “Falam como uma milha por minuto?” são colocadas aos cuidadores do doente para se ter uma ideia melhor sobre o seu comportamento. Outra característica importante da doença bipolar é a falta de discernimento, o que significa que o doente não tem qualquer ideia sobre esta mudança de comportamento e continuará a tê-la como se fosse normal.

Assumir mais riscos

Um episódio maníaco torna uma pessoa mais impulsiva, pelo que é mais propensa a assumir riscos. Um médico precisa de compreender se a pessoa está apenas a actuar ou se este comportamento é muito diferente do seu comportamento normal. Perguntas como “Fez coisas que consideraria arriscadas” são feitas tanto ao paciente como aos seus cuidadores. Os episódios maníacos são muito mais arriscados do que os hipomaníacos, com os pacientes a conduzir e a gastar imprudentemente, e mesmo a participar em encontros sexuais perigosos. No entanto, o comportamento excessivo que não pode ser controlado é também uma parte da tomada de riscos, tais como compras excessivas.

Um surto na forma como se sente a si próprio

Um episódio maníaco ou hipomaníaco vem com um humor elevado que pode elevar a confiança, auto-estima e optimismo de uma pessoa bem acima da gama normal. Por exemplo, um paciente pode dizer ao clínico que se sente bem com o seu trabalho e porque se sente tão bem, quer desistir agora e começar aquele empreendimento comercial que tem vindo a planear há anos sem um plano concreto. Perguntas como “Tem-se sentido mais inteligente, mais bem sucedido ou atractivo ultimamente?” podem ser feitas.

História da Família

Uma história familiar pode ser extremamente útil quando se tenta diagnosticar a desordem bipolar. O risco de desenvolver a doença bipolar aumenta significativamente para aqueles que têm familiares próximos com a doença, tais como um progenitor ou um irmão. Além disso, fazer estas perguntas tanto ao doente como ao membro da família pode funcionar bem porque muitas vezes, um doente não compreende completamente o que se passa e nem sempre pode responder às perguntas de forma completa e verdadeira.