Saúde

Remédios naturais para crises epilépticas

As crises epilépticas são o resultado de uma súbita mudança na actividade eléctrica do seu cérebro. Quando tem uma convulsão, as suas células cerebrais “disparam” até 4 vezes a sua taxa normal. Isto afecta temporariamente a forma como se move, se comporta, sente, ou pensa. Condições tais como lesões cerebrais, infecções, ingestão de substâncias tóxicas, problemas metabólicos, anomalias nos vasos sanguíneos do cérebro, uso de álcool, e lesões podem provocar convulsões. Nas crianças, a febre alta também pode causar convulsões epilépticas.

Mas as convulsões não são tão invulgares como se poderia pensar – cerca de 5-10% das pessoas sofrem pelo menos uma convulsão durante a sua vida. Para a maioria das pessoas, contudo, este é um episódio único que não regressa. Mas num em cada dez casos, as convulsões continuarão a ser recorrentes e a pessoa é diagnosticada com epilepsia. Quando as convulsões não são causadas por um problema específico como o consumo de álcool que pode ser resolvido, podem ser prescritos medicamentos antiepilépticos. E quando a medicação não for capaz de controlar a condição, a cirurgia pode ser considerada. No entanto, também existem muitos remédios naturais que foram encontrados para ajudar a lidar com as crises de epilepsia. Embora estes não possam substituir a sua medicação para epilepsia, podem ajudar a reduzir a ocorrência ou mesmo a intensidade das convulsões e garantir uma melhor qualidade de vida. Lembre-se de manter o seu médico informado sobre quaisquer remédios alternativos que esteja a tentar. Aqui estão as suas opções.

Siga uma Dieta Ketogénica

Uma dieta cetogénica é geralmente recomendada para crianças com convulsões que não respondem aos medicamentos. Esta dieta implica ter alimentos ricos em gorduras e muito poucos hidratos de carbono. As células do seu corpo utilizam tipicamente o açúcar no sangue, que é obtido a partir de hidratos de carbono, para obter energia. Quando os hidratos de carbono são restringidos, o corpo começa a decompor as reservas de gordura em moléculas conhecidas como corpos cetónicos e utiliza-os para gerar energia. Mais de metade das pessoas que seguem a dieta cetogénica vêem uma redução de 50% no número de convulsões e cerca de 10-15% ficam livres de convulsões.

A dieta precisa de ser calculada e monitorizada com precisão por um médico. Pode também envolver um período inicial de jejum e estadia hospitalar. Uma desvantagem de seguir a dieta cetogénica é que, uma vez que as porções de alimentos precisam de ser cuidadosamente medidas, pode ser difícil aderir a ela. Algumas pessoas podem sentir cansaço, náuseas, obstipação, mau hálito e problemas de sono quando seguem a dieta cetogénica. Permanecer nesta dieta durante um longo período pode também causar efeitos secundários como crescimento lento, níveis elevados de colesterol, fracturas ósseas, e pedras nos rins. Isto não é, contudo, amplamente recomendado para adultos, uma vez que uma dieta rica em gordura pode levar a problemas como doenças cardiovasculares e diabetes.

Experimente uma dieta de Atkins modificada

Na dieta de Atkins modificada, a dieta tradicional de Atkins é modificada para limitar ainda mais a ingestão de hidratos de carbono. Tal como a dieta cetogénica, esta dieta também é baixa em hidratos de carbono, mas é menos restritiva. O consumo de gorduras é encorajado e não há restrições a ter proteínas nesta dieta. Os alimentos não precisam de ser medidos e não envolvem estadia hospitalar ou jejum. Descobriu-se que diminui as taxas de ataques epilépticos em quase metade dos adultos que o experimentaram, tipicamente dentro de poucos meses. No entanto, lembre-se que o seu neurologista e dietista precisam de ser consultados antes de experimentar esta dieta.

Pratique Yoga

O Yoga utiliza a prática do asana e do pranayama para promover o controlo sobre a mente e o corpo. O Yoga pode induzir relaxamento e reduzir o stress e pode, portanto, ser benéfico para as pessoas que sofrem de epilepsia. Especialistas sugerem asanas como o viparita karani (meio ombro), urdhva hasta tadasana (postura ascendente de montanha), e adho mukha svanasana (cão virado para baixo). Complementar isto com exercícios respiratórios como o nadi shodhana pranayama (limpeza da respiração alternativa das narinas) pode ser particularmente útil.

Estudos também descobriram que a prática de Sahaja yoga, uma prática meditativa simples, é eficaz para lidar com a epilepsia. Pensa-se que reduz o stress, diminui o risco de convulsões, e provoca alterações na actividade eléctrica do cérebro. Durante o Sahaja yoga, os praticantes sentam-se relaxados com as palmas das mãos viradas para cima e com as mãos à frente. Focam a sua atenção numa imagem colocada diante deles com uma vela acesa à sua frente. Lentamente à medida que os seus pensamentos desaparecem, podem fechar os olhos e focar a sua atenção no “sahasrara chakra” no topo da cabeça. Acredita-se que o Sahaja yoga desperta a energia divina adormecida em nós conhecida como a kundalini.

Experimente o Biofeedback

Foi encontrado biofeedback electroencefalográfico (EEG) que ajuda pessoas que sofrem de epilepsia. Pense nisto como um exercício cerebral onde é capaz de modular as ondas cerebrais porque está ciente da sua actividade. Durante o processo, são colocados sensores na cabeça para que a actividade cerebral possa ser mostrada como padrões num ecrã de computador. Quaisquer desvios do normal, quando as células cerebrais disparam mal, são então mapeadas. Agora é-lhe ensinado a controlar ou regular esta actividade. Um tom ou bip, por exemplo, pode ser utilizado como um reforço positivo ou recompensa pela alteração de certas actividades cerebrais.

Um estudo revelou que 74% das pessoas tratadas com feedback de EEG relataram menos convulsões semanais. O que é ainda melhor é que o tratamento pode reduzir significativamente a frequência das convulsões naqueles que não são capazes de controlar as convulsões através de tratamento médico.

Tenham Vitamina E

A investigação descobriu que as pessoas que tomam medicamentos antiepilépticos sofrem frequentemente de stress oxidativo. Um estudo analisou o efeito da suplementação de pessoas com medicamentos antiepilépticos com vitamina E, um potente antioxidante. Descobriu-se que tomar esta vitamina juntamente com os seus medicamentos não só reduziu o stress oxidativo como também melhorou o controlo das convulsões. O armazenamento de alimentos como amêndoas, amendoins, óleo de açafroa, óleo de girassol e espinafres também pode ser útil.

Tomar Óleo de Peixe

Um estudo analisou o efeito dos ácidos gordos polinsaturados ómega 3 presentes no óleo de peixe na gravidade e frequência das convulsões epilépticas em crianças que não respondiam a tratamentos médicos. Notavelmente, verificou-se que no final dos 3 meses, 57% das crianças que tomaram óleo de peixe tiveram zero convulsões. O efeito benéfico destas gorduras saudáveis é atribuído ao papel que elas desempenham na regulação da função neuronal. Pensa-se que atravessam para o sistema nervoso central, bloqueiam os canais de sódio e cálcio nas células nervosas, e assim param o disparo repetitivo das células que resulta em convulsões. Curiosamente, doses baixas de óleo de peixe – 3 cápsulas por dia (1080 mg) – foram suficientes para provocar este efeito num estudo. Mas fale com o seu médico sobre qual a dose que pode funcionar melhor para si.

Experimente Remédios Ayurvédicos

O tratamento da epilepsia é adaptado ao indivíduo na prática ayurvédica e pode envolver diferentes tratamentos para diferentes pessoas. No entanto, algumas terapias comuns incluem:

A sangria (siravdha) pode ser utilizada como medida de primeiros socorros.

Enema (paittika apasmara) e emesis (vatika apasmara) podem ser usados como procedimentos de limpeza no início do tratamento.

Foi recomendada a aplicação nasal (nasya) de óleo cozido com produtos de origem animal e ervas, bem como a utilização de collyrium sticks (anjanas).

Formulações medicamentosas como siddharthaka ghrita ou aswagandharistam também podem ser utilizadas para o tratamento de convulsões.

Check Out Herbal Remedies – Valeriana, Kava, Maracujá, Camomila

Muitos remédios ervanários têm sido tradicionalmente utilizados para lidar com apreensões. Por exemplo, pensa-se que a valeriana, a kava, a passiflora e a camomila aumentam o poder dos medicamentos anti-epilépticos e melhoram os seus efeitos cognitivos e sedativos. Um experiente ervanário poderá orientá-lo quanto à dosagem e utilização destas ervas. Mas tenha em mente que deve sempre obter a autorização do seu médico antes de utilizar qualquer medicamento à base de ervas, para que não haja interacções medicamentosas.

Evite os Gatilhos de Epilepsia

Em certos casos, gatilhos específicos podem desencadear apreensões. Evitar estes gatilhos pode então evitar as apreensões. Embora vários factores possam provocar apreensões e os gatilhos tendem a variar dependendo da pessoa, alguns gatilhos comuns são dados abaixo.

Sono em falta
Álcool
Stress
Padrões cintilantes ou luzes
Sobreaquecimento e uma alteração significativa da temperatura

Tentar identificar os factores que desencadeiam as apreensões e evitá-los, se possível.